02 março 2010

PESOS E MEDIDAS - PODEMOS CONFIAR?

Hoje, depois da caminhada, entrei no supermercado para umas comprinhas. Fui atrás do queijo minas frescal que estou acostumada a consumir. O preço estava normal, mas nem sei porque, desconfiei do peso. Levei ao rapaz do atendimento de perecíveis e solicitei que ele pesasse o queijo. Ele falou que não precisava, uma vez que já estava inclusive com o preço. Mas lhe pedi que confirmasse o peso e ele o fez. Deu uma diferença de quase sessenta gramas. Ele falou, explicando o inexplicável, que era por que aquela balança em que ele estava pesando, não descontara a TARA. Lhe expliquei então, que se descontasse a TARA, o peso deveria ser menor ainda. Ele então me EXPLICOU, que era por que o queijo já tinha PERDIDO o soro desde sua pesagem. Lhe expliquei também que o queijo havia dessorado, mas o soro estava dentro da embalagem e por esse motivo, não deveria dar diferença no peso. Entre explicações e mais explicações, sugeri que ele desconsiderasse o peso e preço anteriores e o fizesse novamente. Foi uma panaceia. Ninguém sabia o tal do código do queijo, a peso da TARA. Demorou muito, mas o queijo foi pesado e apreçado. Com uma diferença de quase oitenta centavos. Passei então para a linguiça calabresa. Para nosso conforto e comodidade, já é vendida em bandejinhas e munida de peso e preço. Lá fui eu atrás de uma balança para pesar a bendita linguiça. Pois não é que a danada também estava com um peso menor que o demonstrado na etiqueta. Por consequencia, o preço real, também deveria ser menor. Foi outra hecatombe. Lá foram os funcionários atrás de códigos e outros números para se chegar a um consenso, no mínimo moral. A diferença foi menor, mas deu diferença. Continuando a compra, cheguei na gôndola de grãos, pois queria lentilha. Já me enfezei novamente, pois a maioria dos produtos estavam sem preço em sua embalagem e o mesmo acontecia nas gôndolas. Pequei a lentilha que costumo comprar, fui até um leitor de códigos para aferir o preço, pois não compro nada sem sabe-lo e como pertinho dali estava uma balança a sorrir para mim, por farra pesei a embalagem de lentilha. Nem queiram saber. A danada também vem com o peso menor que o registrado como sendo seu. Pouca coisa, mas vem menos do que se paga. Com margarina, também deu uma diferença pequena. CONCLUSÃO: essa comprinha, que quase todos os dias faço, deu no meu bolso uma diferença de mais de um real. Isso sem contar com a diferença que deveria receber pela margarina e lentilha. Por esses produtos, reclamar para quem? Nessa BRINCADEIRA, por mês, se computarmos todos os valores que pagamos a mais, por produtos que não trazemos, dá uma diferença bem grandinha. Imaginem numa copra de produtos para o mês todo, onde o número de itens é bem maior. Se formos pesar cada pacote de açúcar, feijão, farinha, arroz.... Nossa, é de enlouquecer. E pensar que quando comprávamos tudo em mercados que pesavam na hora, houve uma revolução para que todo item de alimentação principalmente fosse vendido já pesado e embalado, por questões de higiene, comodidade, segurança e também para coibir o tal do roubo nas balanças. E agora? Como escapar dessa realidade? Minha parte, eu fiz. Telefonei para os o800 das marcas que trouxe hoje e sugeri que dessem uma especial atenção para os pesos dos produtos pois estava descontente com isso. Falei inclusive que tenho pleno conhecimento que isso é crime contra o consumidor e passível de uma chegada à outros estâncias. Podem estar pensando nossa como ela é criqui. Mas não é bem isso, ou é bem isso. É que não costumo atender minha porta, com alguém trazendo de presente para mim, um envelope com dinheiro para as despesas. Tudo que entra em casa é por trabalho e com dignidade. Assim também é que gostamos de consumir. Com dignidade.

8 comentários:

SEREIA disse...

AMIGA FOI RIALMENTE MUITO GIRO!VEJA SE PODE PASSAR NA MINHA COZINHA...BEIJINHO DOCE:))

Leci Irene disse...

Welze: quem dera todo mundo fosse cricri assim! Parabéns! Obrigada pelo que fizestes por nós!
Ei, tem um presente pra vc lá no meu cantinho.
Beijos

Anônimo disse...

Olá tia, tudo tranquilo?
Nuuuoooossaaaa....a senhora mandou muito bem....queria estar lá na hora para ver a cara de cada um dos "aatendentes" que pesaram os produtos...infelizmente, no meu caso, não tenho tempo, mas o certo é fazer exatamente isso que a senhora fez. Parabéns e na minha próxima compra, tentarei faze-la com mais tranquilidade e atentar a esses detalhes...Bjos, Gisele.

Maria Inês Feijó disse...

Oi Welze!!Bem que tu fizeste!!Bjs

Renata Boechat disse...

Está certíssima!
Imagino quantas vezes não fomos trapaceados por esses mercados cada vez maiores e cada vez mais ricos a custa de coisasa assim!
Palmas, que vc merece!

angela disse...

v foi perfeita, infelizmente o supermercado deveria e poderia, se assim desejasse estar mais atento.
bjs.

»¤Þ䵣䤫 disse...

Welze tem um selinho no meu blog, dedico a vc, espero que aceite! Bjinhos

Glorinha L de Lion disse...

Amiga, vc é demais!!!!
É assim mesmo que se faz...se todo mundo fizesse, isso não aconteceria! Isso é exercer a cidadania! Parabéns, amiga, vc fez muito bem...estou contigo e não abro!
Bjs