05 agosto 2010

NÃO DÁ PARA NÃO FALAR

Sei que já toquei nesse assunto aqui, mas não consigo deixar de falar novamente. Estou com raiva e muito triste com o que está acontecendo no comércio e nas ruas da minha cidade. Quem conhece Sorocaba, cidade grande do interior de São Paulo, muito próxima da capital, sabe que aqui tem muita chance de trabalho, ótimas escolas, indústrias à todo vapor de todo ramo de atividade. Isso chama muita gente. É bom, mas nem tanto. Tem muita gente que se sente o bambambam, o dono da cocada preta, desfaz da cidade e dos moradoraes que lhe acolheram retribuindo as boas vindas com má educação no transito, no trato com as pessoas e mais algumas coisinhas do cotidiano. Isso é muito triste. Mas o que me deixa mais raivosa, é o fato de estarem aparecendo do dia para noite, mais e mais lojinhas de utilidades domésticas e presentes, como são chamadas, de asiáticos. Nada teria contra esse povo que trabalha pra caramba, se reergueu após guerras, são unidos, tudo isso é inegável, mas o que eles estão fazendo com o comércio de Sorocaba, é de amargar. Estão assolando nossas ruas com lojas e mais lojas. Onde antes era uma tradicional loja que passou de geração para geração, num piscar de olhos surge uma nova loja de PLESENTES, onde o atendimento é humilhante. Se não vejam: é mole você entrar numa loja, ser PERSEGUIDA de muito perto por um asiático que não lhe responde nenhuma pergunta, não fala a sua língua e nem olha nos seus olhos? ARA ARA ARA, é de ficar danada da vida ou não é? O pior é que não se acha mais os artigos vendidos nessas lojas em outras que não sejam de seus patrícios. Eles tomaram conta de tudo. Espero que pelo menos, de quem eles compraram o ponto comercial, nossos antigos lojistas, não tenham sido tão maltratados por eles. Espero que nossos amigos tenham sido tratados com respeito e muita, mas muita mesmo honestidade. Ontem fui atendida por dois indivíduos nessas lojas que depois de gritarem PLÓCIMO!, para quem estava na fila para efetuar o pagamento, não olhou nem uma vez nem de soslaio para receber e entregar o dinheiro. É um pouco caso de amargar. Se pudesse não voltaria mais nessas lojas, mas vira e mexe preciso de alguma coisinha que sei só encontrar lá e assim lá vou eu para mais uma desagradável compra.

4 comentários:

ELIANE VILELA disse...

aqui em Americana Welze, o centro comercial ja tem umas 4 dessas, e das gds... eles comunicam entre si ( pq é tudo da familia os q mandam neh) no idioma deles, vc esta no caixa pagando e eles olhando p vc e falando, e rindo, parece q falam da gente
sem contar q nao ha opções, onde vai é tudo igual...

bom dia p vc

maria/andrea disse...

Ara ara ara mesmo, rsrs. Se aí que é uma cidade menor tá assim, imagine aqui na Capital.
Só aqui no bairro que trabalho, na mesma rua tem 3, uma quase do lado da outra. E numa delas eu não entro mais, pq é bem assim: vc entra e o povo fica te seguindo. Caramba, então não precisa de câmeras né?
Ara... tá pensando que vou roubar? Só o que faltava né?
Agora quando preciso, vou em alguma das outras, onde inclusive tem donos brasileiros! Atendimento muito melhor.

Bem, peguei a dica da massa dos salgados. Ainda bem, que vc explicou que fica meio mole, senão eu já ia lotar de farinha, rsrs.
Depois te falo como ficou.
Devo fazer no sábado pra família.
Beijo.

Tatiana disse...

Amiga não posso falar do que suspeito, mas se acontecer como foi na minha cidade natal vai ficar pior. As lojas são só fachada p/ coisas bem maiores!
Uma tristeza!
Bjs

Fla disse...

Welze, andar no centro de Sorocaba já não é mais a mesma coisa mesmo né?
Saudade das antigas e tradicionais lojas de Sorocity.
Beijos