01 outubro 2010

Aos trancos e barrancos. Ouvi por aí

Pois é, meio que aos trancos e entre barrancos, tentarei postar hoje. Daqui vejo letras entre cortadas, clarinhas, mas tudo bem.
Essa eu ouvi um tempinho atrás e depois do susto, dei muita risada.
Tem perto de casa uma super loja, que vende confecção para todos os gostos, bolsos, idades e ocasiões. Além disso, tem material escolar, roupa de cama, mesa e banho, enfim, uma loja super sortida. Sou cliente dessa loja tem muito tempo. Sempre vou na hora do almoço pois, como estou sempre com pressa, nesse horário o movimento de clientes é menor. E outra coisa, sempre que vou comprar algo, saio de casa com a ideia já mais ou menos formada do que quero. Olhar vitrines, passear entre lojas, realmente não é meu passatempo favorito. Fui então nessa loja com uma determinada compra em mente. Seria uma blusa preta, para não variar, de manga curta ou sete oitavos, de malha, sem enfeites, como golas, babados, simples, mas de boa qualidade. Assim que cheguei na loja, fui atendida por uma vendedora que começava a trabalhar naquele dia. Disse o que queria e aí começou o calvário. A menina despejou praticamente todo o estoque de blusas do meu tamanho, de toda cor, modelo, textura. Tinha listrada, de bolas, coloridas, manga comprida, regata, enfim um mundaréu de peças. Mas nada como eu especificara. Eu insistia na preta de manga curta, malha, sem enfeites e ela colocando mais e mais blusas, até brancas. Como não dispunha de muito tempo e percebi que a vendedora não estava me entendendo, é claro que percebi que com isso ela estava querendo só me agradar, mas não estava dando certo. Agradeci, disse que numa outra hora voltaria e com mais tempo e calma, procuraria uma blusa do jeito que estava querendo. Voltei à loja depois disso, comprei com a vendedora que sempre me atendeu e fiquei satisfeita com a compra. Muitas vezes voltei a loja e a vendedora daquele dia sempre me olhou com uma certa reserva. Eu sempre a tratei bem, cumprimentando-a com sorriso, mas procurei não ser atendida mais por ela. Outro dia fui a loja para comprar bermudas e fui logo falando para quem me atendeu o que queria. Fui ao provador experimentar as peças e da lá ouvi a melhor do dia. A vendedora que me atendeu no dia das blusas disse, sem saber que eu ainda estava no provador, que me achava super chata. Entrei em pânico dentro do provador. Passado o susto, veio a chateação, logo deixada de lado pelo que as outras vendedoras disseram para a nova funcionária da casa. Disseram que me achavam super bacana, divertida, que gostavam de ouvir minhas aventuras, minhas viagens e perguntaram se ele não reparava que quando eu chegava na loja, a proprietária, que não atende quase ninguém, sempre fazia questão de vir dar um dedo de prosa comigo. Eu, no provador, não sabia como sair de lá sem constranger a menina. Até que ouvi uma delas indagar do porque desse sentimento por mim e ela contou que justo no seu primeiro dia de trabalho, eu havia ido até a loja e simplesmente tinha encasquetado que queria uma bendita blusa preta e que mais nenhuma servia. Uma outra vendedora perguntou por que cargas d'água ela não tinha me mostrado uma blusa como a que eu queria e ela respondeu outra maravilha da natureza, dizendo que a que eu queria, ela estava deixando por último. É mole? Saí do provador com um baita sorriso, o maior que consegui colocar no rosto, meio que fingi que não ouvira nada e para a vendedora das blusas, fiz um carinho no ombro e dei um sorriso maior ainda. Nos encontramos todo dia, ela vindo trabalhar e eu indo caminhar. Depois desse dia, o sorriso que nunca antes eu via em seu rosto, agora sempre está lá me dando bom dia. A gente ouve cada uma!

4 comentários:

Marliborges disse...

Ô amiga, a gente passa cada uma né!!! Mas é legal quan do acaba bem. Parabéns pela sua postura. Bjsssssssss

Beta disse...

A vida é tão simples, as pessoas que complicam! Tudo isso poderia ser evitado se ela tivesse te escutado da primeira vez. Que bom que acabou tudo bem! Um ótimo fds! bjs

Marly disse...

Acho esse tipo de vendedor muito chato. Involuntariamente (sim, porque às vezes é política da loja, fazer com que o cliente compre mesmo o que ele não deseja) eles acabam desrespeitando os clientes.

Um beijo e bom fim de semana.

Yasmin disse...

Estava lendo seu post e imaginando a cena amiga hehehehe..ela deve ter ficado toda sem jeito de te ver saindo do provador neh kkkkkkkkkk

bjinhos amiga