15 dezembro 2010

O MENINO FICOU DEBAIXO DO ONIBUS!

Estranhíssimo esse título, não é mesmo? Mas é para ilustrar um acontecimento tão estranho quanto. Tinha uns cinco anos e estávamos em visita à avó Lili, no bairro de Vila Santana, aqui em Sorocaba. Minha mãe, minha inseparável irmã e parceira de brincadeiras, Cassia e eu, tínhamos ido passar a tarde lá. Meu primo, Antenor, que morava com vovó, tinha como vizinhos, uma turma enorme. Meninos e meninas quase todos de idade entre cinco e nove anos. Aprontões como ninguém. Mas tudo gente boa. Pois bem. O que ocorreu, foi que numa brincadeira de pega pega era um tal de atravessar a rua pra cá e pra cá, na correria. Nessa época, o transito era bem tranquilo nessa rua, só mudando esse perfil, a cada passagem do onibus. Nessa hora, ficávamos nas calçadas, acenávamos para o motorista e cobrador do coletivo e assim que ele passava, a brincadeira recomeçava. Uma farra. Mas numa dessa passadas do onibus, já noitinha, aconteceu uma quase tragédia. Um dos meninos, o Pincel, ou como falávamos Pincérr, caiu no meio da rua. O motorista, desatento ao fato, pensou que nossos gritos eram para o costumeiro cumprimento e sem saber tocou o onibus em cima do nosso amiguinho. Ficamos imobilizados ante tal cena. Mas para surpresa nossa, assim que o onibus passou, o Pincérr se levantou limpando sua roupa e dando gargalhadas, gritou que estava tudo bem. Depois nos contou que não havendo possibilidade de sair do meio da rua, pois estava com o sapato enroscado entre os paralelepípedos, entendeu que sua salvação seria ficar deitado imóvel até que o coletivo passasse por cima de seu corpo. Não acreditamos no que vimos. Pelo sim, pelo não, já que estava tudo bem, achamos de comum acordo, melhor não contarmos aos nossos pais a quase tragédia, para que não fossemos proibidos de brincar na rua. Me lembrei desse fato ontem, quando o bonitão chegou em casa e contou que sem poder frear ou desviar de um BEMTEVI, tinha passado por cima dele com a perua, mas que constatou pelo retrovisor que assim que pode, o pássaro saiu voando. Dos dois, o pássaro e o bonitão, não imagino quem se assustou mais. Felizmente, anos atrás e agora, tudo não passou de susto.

Um comentário:

Amehlia Digital ! ® disse...

Confesso que li o texto com dor no coração...
Mas ver a sabedoria da criança foi coisa de Deus mesmo...
E como sempre...ninguém quer contar nada para os pais, né?!
Deve ter sido um susto imenso!
E de seu cumpadi tb... ainda bem q todos ficaram bem...
Um bejim procê!