30 julho 2010

MEDO

Falar de medo, me traz medo. Sabe aquela sensação de fala baixo senão escutam? Aquele sentimento de que é melhor nem falar daquilo a que se teme para que ele não faça parte de sua vida? Pois é assim comigo. Das coisas que tenho medo, nem gosto de falar. Mas tenho muitos medos e talvez escrever sobre eles, seja uma maneira de expurgar, de exorcizar, bater de frente e enfim vence-los. Não sei. Pode ser. Mas dá medo. Tenho medo de sentir dor física, mas sei que sou forte para combatê-las. Já provei isso. Mas as dores da alma, do coração, essas me vencem. Tenho medo de ficar sem os meus. A minha prole, meus amores. Tenho medo de perdê-los. A cada um e a todos. Morreria sem eles. As vezes tenho medo de ousar. De uma novidade. Mas já já que penso melhor a respeito e decido arriscar. O que poderia acontecer? Nada que não possa ser melhorado depois com o tempo. Medo de imensidão. É, tenho medo de imensidão. Da imensidão da água, do ar. Já acordei suando e chorando, mesmo depois de passada a meninice, por ter sonhado com quedas em precipícios. Acordei e estava segurando tão forte na cama que não podia abrir a mão mesmo depois de acordada, por medo de cair. Medo do mar. A imensidão do mar, tanto me atrai, me encanta, me deslumbra, como me apavora. Quando criança tinha medo que o mar me encantasse e me atraísse para suas águas e me afogasse nelas. Demorei muito para ter vontade de vê-lo de perto. A velocidade também me dá medo. Mas me inebria. É um medo louco que me imobiliza mas ao mesmo tempo me atrai. Medo louco, insano, que me encoraja ao mesmo tempo. Mas para esses medo, tem remédio, para o único que não tem, esse sim me dá medo. Desse quero por enquanto distância. Quero assim, eu cá e esse medo lá. Bem longe. Por muito tempo ainda. Amo estar viva, com meus medos e tudo o mais.

13 comentários:

Glorinha L de Lion disse...

Ai amiga, vc me encanta sabia? Vc fala das coisas mais variadas e profundas de um jeito tão natural, tão simples, sem subterfúgios, sem recorrer a metáforas...tudo pão pão queijo queijo. Gosto desse seu jeito franco, sem cerimônias...acho que o dia em a gente se encontrar eu vou te abraçar tanto, mas tanto que vou te espremer...hehe...sinto como se já te conhecesse há muito tempo e vc fosse um complemento, uma espécie de meu outro lado, ou talvez o que eu gostaria de ser. Te amo amiga! Adorei! bjs.

Meru Sâmi disse...

Oi, Wilze,
A glorinha tem razão, só de olhar paras eu rosto, dá vontade de correr e dar-lhe uma beijoca !Essa foto com "esses belos" é bela!
Amei a revanche! Ah, gostei de tudo aqui.
Seu post sobre o medo está ótimo! E quando você era criança estava certa. Olhe por algum tempo, fixo para o mar para ver se ele não te " chama" de verdade!
Ótimo, gostei de verdade!

Beijos...

Isadora disse...

Oi Welze estou participando da blogagem e vim ver o seu post.
Também sinto um medo danado de perder aqueles que amo e como você acho melhor nem tocar no assunto, quem sabe assim fica meio esquecido.
Do mar nào tenho medo e até gosto de toda a imensidão, mas nasci no Rio e morei a vida inteira em Copacaba. O mar e a praia fazem parte da minha história.
Um beijo.
Nào estou conseguindo acessar o seguir, deu algum problema, mas vou adicionar o seu blog ao meu! E depois volto.

Macá disse...

welze
Através da blogagem coletiva, vim conhecer seu blog.
Tem muitos medos que eu penso que são comuns a quase todo mundo. Medo de perder a família, por exemplo. Eu já perdi meus pais e meu irmão, foi muito sofrido e até hoje sinto saudades. Hoje tenho medo (MUITO) de perder meu marido e meus filhos.
E um medo que você tem e que eu tenho também é do MAR. Adoro ir à praia, penso até em morar lá um dia, entro no mar, mas conhece aquele ditado -
Água no umbigo, sinal de perigo? - Então, é só até ali que vou.
beijos

Taís Marçal Diniz disse...

Olá Welze...acho que não existe quem não tenha esse sentimento chamado "medo", as vezes é bom ou ruim, mas o que importa é que temos que saber administar e não deixar que ele tome conta de nós.
Estou tentando inventar o bolooo...rsrsrssr!!!
Bom final de semana!
Beijos!

pensandoemfamilia disse...

Olá
Estou também participando da blogagem e vim ler seu texto e coincidentemente temos o sentimento ambíguo em relação ao mar: atração e medo.
Todos temos medos, mas não devemos permitir que nos paralise.
pensar na morte de quem amamos é quase impossível, mas quando os perbemos, como já me aconteceu (pais, avós , tios,etc) percebemos que continuamos e com o tempo a dor se vai e fica a saudade.
bjs

angela disse...

seus medos são muito proximos dos meus medos, são praticamente os meus.
postagem perfeita. bjs

Nilce disse...

Oi, Welze

Medos fazem parte de nossa vida.
Achei interessante o teu medo do mar na infância. Isso é muito real. Sempre temos uma coisa grande que achamos muito mais imensa ainda a nos amedrontar. Mas, vc já tinha noção da imensidão do mar. Muito interessante.
Parabéns pelo post.

Bjs no coração!

Nilce

Lúcia Soares disse...

Welze, vim através da blogagem coletiva proposta pela Glorinha. Bom conhecer mais um blog interessante, forte, com boas postagens.
O medo é inerente ao ser humano. Descobri tantos medos comuns a todos nós, que acho que é isso mesmo, já nascemos com o medo acoplado em nós!
Minha netinha, 1 ano e 10 meses, agora quando se assuta, diz: Medo! Que medo!, sendo que nós não usamos essa palvra perto dela. Certamente ouviu alguém dizer, mas associou direitinho a situações das quais não gosta e passou a usar a palavra e a sentir. Curioso, não?
O jeito é enfrentar nossos medos a cada dia.
Bom conhecer você!
Bom domingo!

www.comtextosdavida.com disse...

Gosto muito de você, esse jeito franco e despojado. Parece que eu a conheço há muito tempo.
Quem não tem medo? Mas viver é enfrentá-los.
Não sabia que participava da blogagem coletiva. Vou ver se eu participo também.
Parabéns, sem medo.
bjs Lais

Marliborges disse...

Welze,
Adorei o texto. Você colocou muito bem os paradoxos que envolvem o medo. Iniciei aqui uma reflexão que pretendo continuar. Obrigada por isso. Parabéns pelo post. Bjssssss

Lianara **Lia** disse...

Olá Welze!

Só hoje consegui passar por aqui para ver sua postagem sobre o MEDO!

Adorei!!

Parabéns pela criatividade!

Beijos
Lia

Blog Reticências...

Renata disse...

Olá minha amiga, tudo em paz? Vejo que sim!

Quero em primeiro lugar agradecer seu carinho no EternosPrazeres,é sempre muito bom saber que a gente faz falta né?

E os medos? ai...os meus são muitos, e um deles é também o medo de ficar sem meus filhos por perto...esse atualmente é meu medo maior...

Mas sigamos em frente, sem medo da vida não é?

Um abraço,