13 outubro 2010

OUVI POR AÍ

Seguindo a linha do OUVI POR AÍ, vou contar o que ouvi por aqui, na minha casa, pelo meu telefone. Estava eu no meu quintal dia desses, quebrando nozes para um docinho, quando o telefone tocou e vim correndo atender. Qual não foi minha surpresa quando ao dizer :-Pronto! Ouvi do outro lado uma voz:- Quem? Como assim, quem? Repeti o atendimento que me é costumeiro:-Pronto?, agora meio que perguntando. Do outro lado a voz:-Onde? Caraca, ligam para minha casa, eu pego o telefone me prontificando a atender e do outro lado neguinho fala, QUEM? ONDE? Que língua é essa? Que jeito é esse de telefonar para a casa de alguém? É normal isso? Eu posso estar desatualizada, meio BOCOMOCO, como diriam antigamente, mas penso que educação é regra de comportamento atemporal, não é não? Me lembro que minha mãe nos ensinava a falar ao telefone, usar palavras claras, tom de voz normal e calmo, pois tínhamos que lembrar que apesar de não estarmos vendo a pessoa do outro lado da linha, essa pessoa estava a nos ouvir muito bem, não havendo assim a necessidade de gritos e sim de calma. Falar com clareza e calma. Sempre perguntar quem estava falando por favor, ou por favor de onde está falado, ou por favor, ou por obséquio, é de tal lugar? Foi assim que aprendi a atender e a usar o telefone. Mas acho que isso é coisa do passado e agora pelo jeitão da coisa, pouca gente perde tempo em ensinar atendimento ao telefone. Mas é assim mesmo e com certeza ouvirei mais vezes esse tipo de coisas. Para desanuviar esse meu dia, logo logo fiquei de bom humor, que é meu normal e lavei minha alma, com uma baita molecagem. Telefone toca novamente. Atendo: -Pronto! Uma voz:-Posso falar com Rafaela? Eu respoondo:-Pode. Ato contínuo, desligo. O telefone volta a tocar. Atendo:-Pronto! Uma voz:-Posso falar com a Rafaela? -Pode, respondo eu. Uma voz:-Então chama ela pra mim. Respondo:-Aqui não tem nenhuma Rafaela. A voz:- Você não disse que eu podia falar com ela? Respondo:-Poder pode mas aqui não mora nenhuma Rafaela. Ouvi tantos impropérios, tantos xingamentos mas mesmo assim, me diverti um bocado. Melhor não repetirem a façanha. Mas lavei minha alma.

15 comentários:

Sandra Peres disse...

Tudo bem que enganos acontecem ,mas falta de educação não se justifica !

Legal foi brincar com os mau educados!!!

Beijão

JOANA CAMPOS disse...

KKKKKKKK ai amiga?!
tô com as costelas doendo de dar risadas, e não posso rir alto, pois meu titico tá dormindo aqui no sofá....mas vc é ótima mesmo.
Possofalar com a Rafaela?

besta!

Bjs

Joana Campos

Marly disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.
Deixe eu me recuperar do ataque de risos, aaffe!

Um beijo.

Néia (Dulci) disse...

Olá, estou aqui rindo muito com seu texto e concordando com a sua opinião de que hoje não se fala ao fone mais como um tempo atrás. Devido à linguagem internética, os mais jovens, principalmente, querem reduzir as frases e falar muito com poucas palavras.
Um abraço

O cantinho da Lê disse...

Welze

Concordo plenamente com você aqui na minha cidade eu vivo o mesmo problema ligam e ainda ficam indiginados quando digo que eles ligaram errado, acho o cúmulo e como existem 3 prefixos diferentes as pessoas não lembram os números e ficam chutando, tipo assim: deixa tentar esse....ah será que é esse....e esse aqui então... é um tal de ligarem errado que eu vou te falar...o que fazer??????

Bjs

Lenita

Nilce disse...

kkkkkkk

Tenho muitas histórias de telefonemas para contar também, Welze.
Eu, por exemplo, de tanta "encheção" com vendas por telefone, vivo na Europa. kkkkkk

Estou aqui com os olhos pregados na TV, acompanhando o resgate no Chile.

Bjs no coração!

Nilce

Maria Inês Feijó disse...

Welze, genialllll!!!Achei o máximo o teu retorno para esta criatura sem educação!!Bjão

Tem sorteio lá no blog!!!

Isadora disse...

Welze tô aqui rindo sozinha, com a molecagem. A pessoa do outro lado da linha não deve ter entendido nada, mas tudo bem, né. É bom desanuviar um pouco, afinal o telefone é da sua casa - rs!
Um beijinho

Gina disse...

Welse, aqui é muito comum perguntarem "quem?" Sempre respondo: "quer falar com quem?"...
Você não é mole!
Bjs.

www.comtextosdavida.com disse...

Já recebi cada telefonema, qualquer dia conto uma também.
Que maravilhoso resgate dos mineiros. Estou aqui a vibrar por eles.
bjs Lais

Misturação - Ana Karla disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Vingada!

Educação no atendimento é fundamental para um entendimento. Você tem toda razão.

Adorei o blog.

Xeros

Deia disse...

Oi Welze!! Essa história me fez lembrar de quando era criança e minhas amigas ligavam para a farmácia, achando que sabiam passar trote e eu só olhava e dizia que ia dar errado. É claro que o atendente desconfiava que era brincadeira de criança e logo dizia um monte de impropérios e desligava o telefone. E nós ríamos!! Beijos!! Deia.

Blog da Chris disse...

Só vc mesmo hein!!!!! Muito engraçado. vc tem razão, são muito mal educados. Eu atendo, não falo meu nome, pergunto com quer falar, digo que não tem ninguém aqui com este nome, a pessoa geralmente se desculpa e eu digo que não foi nada... Esse é o roteiro dos enganos.... rsrsrsrsrs

bjs

Karine disse...

Olá!
Nossa.. parecia que era eu falando heheheh
Ri muito com o seu texto.. e eu sou igual.. odeio quando pessoas ligam pra nossa casa e ficam perguntando quem está falando.. E quando pergunto com quem querem falar elas ficam repetindo.. (quem está falando?) Um dia um "senhor" insistiu tanto em perguntar com quem estava falando que eu respondi : "comigo". ele me xingou! vê se pode hehehe

Adorei seu blog! Parabéns pelo tão belo espaço :)

bjos

Anne disse...

rsrs eu ri, viu? Tbm tenho um sério problema com essas coisas. Pior é quando ligam para o MEU celular e perguntam quem tá falando. OI?? Como assim que a figura liga pro meu celular e quer saber quem tá falando? Não entendo, viu...
Beijos!!